Lunes, 04 de agosto de 2008
  Os sinais...
 
 
Das cinzas do tempo, evadem-se os sinais...
 
Será Nero declamando os seus poemas medíocres
às chamas que devastam  Apolo e Roma?
 
Será Petrónio burilando a elegância do verbo,
enquanto acaricia as veias que irá cortar?
 
Serão as sombras ignaras do pão e circo
expulsas pelo remorso dos tempos
do sossego do nada  onde apodreceram?
 
Ou serei eu, aqui, a reinventar o pesadelo
do martírio intemporal dos impérios?
 
 
 
4 de Agosto de 2008.
Viana do Alentejo * Évora * Portugal
 
 

Tags: Os sinais, portugal, poemas, mediocres, Petrónio, apolo, roma

Publicado por ChemaRubioV @ 18:11  | POESIA
Comentarios (0)  | Enviar
Comentarios